America

I always thought I lived in America, which is true.

The continent Columbus found out of the blue.

We were once the West Indies, the amazing wonder

The land without cities, wilder and stronger.

 

I don’t really know why we are called North, Central and South America.

We are so different we could have different names.

Long ago, we were all attacked

Ransacked

By people who thought the land wasn’t meant to be shared.

 

And this annoys me,

Because I am part of this people too.

We are all unstoppable

And this could be our doom.

 

 

Why only the “UnitedStateners” are called Americans?

I am sure this is our own fault.

Because “we” adopted the latino identity

Which is American, after all.

Don’t boast of your origins

They are as good as anyone else’s.

I’m only saying that because my instructor said

Americans like it fast and direct,

Which is true.

 

December 9, 2015

I am looking at your American face

I am looking at your American face

White Anglo-Saxon Protestant

Blue bright eyes with a friendly smile- I wonder why.

Would you be brave enough to be seen with me?

 

I am looking at your American face

African resilient Baptist passionate

Beautiful – I wanted to talk with you

But your friend said: “You can’t sit with us”

 

While I am looking at your American face

I dare to caress your atheist, avant-garde short hair and wonder

Why don’t you have a spirit? This is so progressive,

So aggressive that it gives a little kick in my rope of hope.

Stumbling back to my comfort zone, I

 

I am looking at your American face

Mexicana devota de la Virgen Maria

and feeling that my face is like yours

but my spirit is not – you speak Spanish on the phone.

Dios mio! I love your accent.

 

Through your eyes, I look at my non-American face

Part of me says: You don’t belong here

The other part cries: Jesus, help me in this day.

 

Now I am looking at your Brazilian face

I maliciously wrap my arms around your waist

You look to me and say: “Ta louco?”

So all of a sudden your face becomes American.

then I –

 

I am looking at your American face and whispering

In God we trust.

 

December 10, 2015

As Manhãs que Não Sinto

O sol que aparece

Sobre a ponte, ou na colina

não importa onde eu esteja

Sempre o perco; é uma sina!

 

Ou quando estou bem preparado

e fico pronto, à espreita

A expectativa é desfeita

Uma nuvem me encobre a vista!

 

Ah, isso quando consigo

quebrar as correntes do sono,

quem me trazem o duro castigo

de perder a manhã, e seu grande dono!

 

Sobra-me então mais um sonho

Pequeno e sem graça, sem sentido,

Ao acordar, confuso e revoltado

por mais uma manhã ter perdido!

Herói

Coloca a arma no chão!
Não tem inimigos na sua frente
Bem, ninguém que você deva amar
Menos do que a si mesmo.

Mãos atrás da cabeça!
Afinal, dá trabalho fazer o que faz
Todos merecem um descanso
Não o merecido, mas descansam.

Todo mundo circulando!
Circulando para fora
Dessa cela de medo aí.
Ficar estagnado não dá, né?

Somos heróis dos tempos passados
E vilões dos tempos futuros
Os atuais defensores da vida
Ultrapassados carrascos brutos
Somos a anátema de uma geração perdida,
Perdida entre os valentes e puros.

Sei bem que o fio da esperança
Por várias vezes foi remendado
E que pouco ou nada adianta
Carregar esse duro fardo
Mas um dia a paz nos corações estará

E eu vou dormir, sossegado!

Meia Hora

Meia hora, o que uma meia hora é?

Em trinta minutos, o que se pode ver

se eu vivê-los ao máximo, ou perto disso

terei eu a capacidade de descrever?

 

Bem, esses são dias nos quais eu posso me orgulhar

Os grandes lamentos, a vida sem sentido

A canção cinzenta, o amor perdido

Tudo isso está  deixando de me segurar

 

Porém os maus tempos também são ouvidos

A morte já não parece tão triste, apesar da vida ter todo o calor

A cada suspiro, um doce furor

A cada volta, surge mais uma cor

 

Como se ela já não estivesse sempre ali

Soprando sua vida pra dentro de mim.

 

Ah, desse momento eu sou o melhor amante

Cada “de repente”, cada sibilo

Desses pássaros aqui comigo

Cada passo no musgo úmido, cada riso, cada instante.

 

Apesar dos fiapos de manga no dente,

Sigo dançando, pulando e sorrindo

Olhando para o céu com um ar de contente

Os trinta minutos se foram, e a chuva está vindo.

 

‎22‎ de ‎dezembro‎ de ‎2011